Energia verde superaria carros como motor de consumo de cobre - NHS Solar skip to Main Content

Energia verde superaria carros como motor de consumo de cobre

Diante da previsão de que as vendas de veículos elétricos vão disparar, seria possível supor que a indústria automotiva vai ser o maior motor de crescimento da demanda por cobre na próxima década. Mas não é bem assim.

É o que dizem analistas do BMO Capital Markets, que afirmam que a demanda adicional do setor de energia renovável será quase três vezes superior ao crescimento observado na indústria automotiva. O forte aumento do uso de painéis solares e turbinas eólicas ajudará a elevar os preços e a desencadear uma caçada global por novas fontes de oferta em um momento em que o mercado entrará em déficit, afirmaram analistas do banco em nota enviada por e-mail.

As instalações solares e eólicas aumentarão o uso anual de cobre em 4,35 milhões de toneladas até 2025, segundo o BMO. O total equivale a cerca de 15 por cento do consumo global atual e se compara com o salto de 1,5 milhão de toneladas na demanda esperada do setor automotivo com o aumento do ritmo de vendas de veículos elétricos.

“Os veículos elétricos serão grandes motores de demanda para commodities como cobalto e níquel, mas na verdade, no caso do cobre, é do setor de energia renovável que virá a maior parte do crescimento”, disse Colin Hamilton, diretor administrativo de pesquisa sobre commodities do BMO, por telefone, de Londres.

Não será fácil encontrar cobre para alimentar o boom das energias renováveis. A programação de projetos em andamento e altamente prováveis está no menor nível deste século, e serão necessários preços mais altos para estimular as mineradoras a buscar novos depósitos, segundo o BMO.

O banco elevou em 7 por cento a projeção de preço para longo prazo, para US$ 7.165 por tonelada, e prevê que o cobre será negociado acima desse nível nos próximos dois anos porque o mercado passará a registrar déficit de oferta. A tonelada do cobre era negociada a US$ 6.879 na Bolsa de Metais de Londres nesta quinta-feira.

“A mudança dos preços das commodities a longo prazo deveria ser um acontecimento raro e só deveria ocorrer onde houver uma mudança notável na perspectiva futura”, disseram os analistas do BMO. “Em nossa visão, esse evento é a mudança que esperamos nas expectativas de demanda impulsionadas pelas energias renováveis e pelos veículos elétricos.”

 

Fonte: UOL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top